quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Nara Couto protagoniza mais uma edição do Fuxicos Futuros


No dia 25 de setembro (terça-feira), das 19h às 21h, a cantora, dançarina, produtora cultural e atriz Nara Couto apresenta seus processos criativos na ação “Contipurânia”, título de seu EP, dentro da 2ª temporada do projeto “Fuxicos Futuros”. Numa roda de conversa, ela exibirá o resultado final deste trabalho e vídeos, além de fazer um pocket show. Desde a pesquisa musical até o lançamento desse material para o público, Nara vai compartilhar experiências da atuação como uma artista que se divide entre palcos e bastidores. O evento acontece no Teatro do Goethe-Institut Salvador-Bahia, com entrada franca.

“Contipurânia” faz referência à cultura oral, a forma que nossos antepassados africanos, quando chegaram ao Brasil, pronunciavam as palavras portuguesas, com um sotaque diferenciado. A palavra “Contipurânia” fala do ancestral, da reverência aos mais sábios. Mas também é a mistura e o diálogo com o novo, com o desejo, o inédito. Ainda é referência à musicalidade contemporânea que alimenta a cantora, proporcionando uma interpretação própria e ampliando para o público uma interpretação multifacetada, magistralmente criada por letras, ritmos, melodias, texturas, cores e dança.


Dançarina de formação, especializada em dança afro contemporânea, Nara atuou no Balé Folclórico da Bahia e acompanhou grandes artistas da Axé Music, em turnê pelo mundo, como Daniela Mercury, Ivete Sangalo e Margareth Menezes. Após nove anos como bailarina, começou a atuar como backing vocal, acompanhando diversos artistas, até ingressar na Orquestra Afrosinfônica em 2009, como vocalista mezzo soprano. A pesquisa de Nara Couto sobre o continente africano começou a se fortalecer depois de a artista viajar pelo mundo e alguns países da África conhecendo a dança e música, juntando esse tempo de estudo com a compreensão de que existe uma memória genética muito forte, que precisava ser aproximada ainda mais, entre esses dois mundos/irmãos.


FUXICOS FUTUROS – Composto por mulheres artistas e intelectuais, negras, indígenas, trans, bi e lésbicas, o Coletivo Transdisciplinar Fuxicos Futuros reúne conhecimento não-hegemônico e define uma agenda própria, focada em si e em suas demandas políticas emergentes. O projeto-ação “Fuxicos Futuros” nasceu inspirado pela passagem de Grada Kilomba como residente do Programa de Residência Artística Vila Sul do Goethe-Institut Salvador-Bahia, no último bimestre de 2016. A artista portuguesa, cuja obra aborda questões de gênero, raça, trauma e memórias, realizou três conversas performáticas que mobilizaram centenas de pessoas, especialmente mulheres negras, que se fizeram mais presentes na rotina do instituto alemão. Kilomba ativou debates e efervesceu a necessidade de espaços que estejam abertos à intelectualidade e vivência dessas mulheres. Em seis edições mensais durante 2017, o “Fuxicos Futuros: Conversas no Pátio” se formatou como um ciclo de conversas protagonizadas por mulheres atuantes na Bahia. Entre trocas existenciais, políticas e artísticas, a iniciativa promoveu diálogos e a articulação da comunidade negra envolvida no debate da problemática racial e de gênero que atravessa a história da sociedade brasileira. Já a temporada 2018, iniciada no mês de maio, parte da exibição das construções intelectuais e criativas de integrantes do coletivo.

- Data: setembro 19, 2018 / Por: Antônio Melo | Comente!  Edit

0 comentários:

Postar um comentário